Robert fala de amor e traição na VF Italiana

http://i1239.photobucket.com/albums/ff506/foforks/Robert%20Pattinson/cover-vanity-13-robert-pattinson_290x435.jpgNão é preciso ser muito inteligente para entender isto: de um modo geral, existem destinos piores do que se tornar um poster-boy obrigado a se esconder das fãs dentro dos muros dos hotéis cinco estrelas espalhados ao redor do mundo. E Robert Pattinson parece que é bastante inteligente. Mas também parece que, pessoalmente falando, o seu destino não tomou o caminho certo. Ele é jovem (em Maio fará 25 anos), tem um monte de dinheiro, sucesso, um trabalho, o actor, que é invejado pela metade do mundo e, potencialmente, o que todas as mulheres desejam. No entanto, vemos de longe que não é feliz. E a razão, creio eu, reside no facto de que ele é suficientemente inteligente para compreender que não é tão especial. Ele ficou com os pés no chão e com a cabeça sobre o pescoço enquanto todos em torno dele enlouqueceram. Isto faz dele uma boa pessoa, mas terrivelmente sozinho. Eu conheci-o à algumas semanas promovendo o filme “Water for Elephants”.

Nascido numa família normal londrina – a sua mãe trabalhava numa agência de modelos, o pai vendia carros antigos – pensava que quando fosse grande trabalharia com relações internacionais. O papel de Cedric em “Harry Potter e o Cálice de Fogo” veio quase que por acaso, e o mesmo para o papel que mudaria a sua vida: o vampiro Edward Cullen em “Twilight”.

“Water for Elephants” é um filme romântico.

O que me atraiu é o período histórico, a Grande Depressão, e o circo. É fascinante.

O facto é que o filme é basicamente a história de Jacob e Marlena.

Mas mesmo se num primeiro momento se pode pensar: “Agora ele chega, vê-a, gostam um do outro e fogem juntos”, a história é mais complexa. Jacob não quer ter, ele só está preparado para dar. A melhor relação que possa existir.

Poderia ter um caso com uma mulher casada?

A vida não é preto ou branco. Há pessoas casadas que nem sequer se consideram, podemos definir isso casamento? Mas há uma coisa que eu nunca entendi: porque é que as pessoas traem.

Não entende o comportamento praticado pela maioria da população?

Eu entendo o impulso, mas não como se pode manter em pé duas relações ao longo do tempo. E apesar de eu perceber que pode acontecer com quem tem filhos, verdadeiramente escapa-me o porquê de alguém que tem um compromisso opta por ter quatro mulheres ao mesmo. Deve ser um inferno, especialmente para o homem.

Não acredita em traição. E o amor até que a morte os separe, como aquele do filme?

Os meus pais conheceram-se quando a minha mãe tinha 17 anos e o meu pai 25, ainda estão juntos e parecem muito felizes. Eu cresci acreditando que nós podemos estar juntos toda a vida.

A entrevista completa estará na Vanity Fair, à venda a partir de 30 de Março.

 

Via: Foforks    |     Adaptação: RobertPattinsonPortugal

publicado por Bia PATTINSON às 21:25